sábado, 6 de dezembro de 2008

A formação dos Estados Nacionais




Se você perguntar a um adolescente qual a sua nacionalidade ele certamente responderá: sou argentino, sou português, sou brasileiro, sou canadense, sou alemão. Mas se você fizesse essa mesma pergunta a um adolescente, por exemplo, do século XII ele não saberia responder. Não que os adolescentes de hoje são mais inteligentes que os do século XII. É que naquela época não havia países. Não nos modelos que conhecemos hoje. O máximo que eles responderiam era: sou da região dos Flandes, sou de Toulouse, sou do reino de Castela, sou da região da Toscana.
Esse blog é escrito em português e se algum internauta de qualquer lugar do mundo acessá-lo, o seu navegador se encarregará de traduzi-lo. Se no entanto, ele fosse escrito no século XII isso não seria necessário porque provavelmente eu o estaria escrevendo em latim. O latim era língua universal dos eruditos. As crianças naquela época não estudavam inglês, alemão, holandês ou italiano. Estudavam latim. Falava-se inglês, alemão etc., mas essas línguas só mais tarde passaram a ser escritas. O monge espanhol com sua Bíblia na Espanha lia as mesmas palavras latinas que eram lidas pelos monges de um mosteiro inglês.
A religião também era universal. Quem se considerasse cristão nascia na Igreja Católica. Não havia outra.
E, espontaneamente ou a contragosto, era necessário pagar impostos a essa Igreja e sujeitar-se às suas regras e regulamentos.
Os serviços religiosos em Southampton muito se assemelhavam aos de Gênova. Não havia limites estatais à religião.
Muita gente pensa hoje que as crianças nascem com o instinto de patriotismo nacional. Evidentemente isso não é verdade. O patriotismo nacional.. vem em grande parte de se ler e ouvir falar constantemente nos grandes feitos dos heróis nacionais. As crianças do século X não encontravam em seus livros didáticos desenhos de navios de seu país afundando os de um país inimigo.
Por uma razão muito simples: não havia países, tal como os conhecemos hoje.
Mas em fins da Idade Média, no decorrer do século XV, tudo isso se modificou. Surgiram nações, as divisões nacionais se tornaram acentuadas, as literaturas nacionais fizeram seu aparecimento, e regulamentações nacionais para a indústria substituíram as regulamentações locais. Passaram a existir leis nacionais, línguas nacionais e até mesmo Igrejas nacionais. Os homens começaram a considerar-se não como cidadãos de Madri, de Kent ou de Paris, mas como da Espanha, Inglaterra ou França. Passaram a dever fidelidade não à sua cidade ou ao senhor feudal, mas ao rei, que é o monarca de toda uma nação.
Mas como ocorreu essa evolução do Estado nacional? Foram muitas as razões políticas, religiosas, sociais, econômicas. É o que veremos a seguir.
Se vocês voltarem para o tópico "A Baixa Idade Média e o Declínio do Feudalismo", irão observar as transformações ocorridas nesse período. Entre elas está a formação de uma nova classe social: a burguesia. Quem eram os burgueses, lembram? Ricos comerciantes, banqueiros, mestres de ofícios... Na verdade, o surgimento dessa classe é que terá uma grande relevância para os acontecimentos do período. São eles que vão reivindicar melhorias para o comércio, para as estradas, para as cidades, para o desenvolvimento das transações comerciais entre as regiões próximas e distantes.
O mais rico é quem mais se preocupa com o numero de guardas que há em seu quarteirão. Os que se utilizam das estradas para enviar suas mercadorias ou dinheiro a outros lugares são os que mais reclamam proteção contra assaltos e isenção de taxas de pedágio. A confusão e a insegurança não são boas para os negócios. A classe média queria ordem e segurança.
Para quem se poderia voltar? Quem, na organização feudal, lhe podia garantir a ordem e a segurança? No passado, a proteção era proporcionada pela nobreza, pelos senhores feudais. Mas fora contra as extorsões desses mesmos senhores quê as cidades haviam lutado. Eram os exércitos feudais que pilhavam, destruíam e roubavam. Os soldados dos nobres, não recebendo pagamento regular pelos seus serviços, saqueavam cidades e roubavam tudo o que podiam levar. As lutas entre os senhores guerreiros freqüentemente representavam a desgraça para a população local, qualquer que fosse o vencedor. Era a presença de senhores diferentes em diferentes lugares ao longo das estradas comerciais que tornava.. os negócios tão difíceis. Necessitava-se de uma autoridade central, um Estado nacional", um poder supremo que pudesse colocar em ordem o caos feudal. Os velhos senhores já não podiam preencher sua função social. Sua época passara. Era chegado o momento oportuno para um poder central forte.
Na Idade Média, a autoridade do rei existia...teoricamente, mas de fato era fraca.
Os grandes barões feudais eram praticamente independentes. Seu poderio tinha de ser controlado, e realmente o foi.

As bases do poder real

As monarquias, com o intuito de se fortalecerem e garantirem sua soberania, investiram na criação de exércitos profissionais, disciplinados e fiéis à autoridade dos reis. A evolução das técnicas militares, com o surgimento da artilharia, tornou os exércitos reais mais poderosos. A cavalaria, organização bélica tradicional em que a nobreza assentava seu poder, tornou-se, aos poucos, obsoleta frente às novas técnicas de guerra.
Em uma época de insegurança gerada por constantes guerras, a coroa assumiu a responsabilidade de defender o reino, os bens e a segurança de seus súditos.
O desenvolvimento de um eficiente aparato administrativo, jurídico e burocrático também teve grande importância para legitimar a autoridade monárquica. Conselheiros militares, administrativos e financeiros foram recrutados para auxiliar o rei, que passou a contar com
ministros inspetores e cobradores de impostos.

O rei entre a nobreza e a burguesia

A consolidação do poder dos reis se deu por meio do apoio da nobreza e da burguesia. Embora tivesse que diminuir os poderes da nobreza para aumentar os seus e, ainda, combater alguns senhores feudais rebeldes, a monarquia não adotou somente atitudes hostis em relação aos nobres. A coroa também se aliava a esses nobres, procurando pacificá-los e atrai-los para o seu círculo de influência, concedendo-lhes altos cargos militares e administrativos do Estado, além de
privilégios, como isenções de impostos e pensões.
Por outro lado, os reis encontravam na burguesia uma importante aliada, pois esta fomentava as atividades comerciais, o que aumentava as rendas do Estado. Em troca, a monarquia facilitava os negócios da burguesia, oferecendo segurança para as rotas comerciais e padronizando a moeda, os pesos e as medidas.

A formação das Monarquias Ibéricas

No século X, a maior parte da península Ibérica era controlada pelos muçulmanos. A exceção era o norte, onde os povos cristãos se refugiaram e conseguiram manter sua independência. Do norte, os reinos cristãos de Leão, Castela e Aragão iniciaram a luta para recuperar seus territórios. A Reconquista, como ficou conhecido esse movimento, de reação cristã, ganhou impulso no século XI, quando o papa Alexandre II prometeu o perdão dos pecados àqueles que ajudassem os ibéricos na luta
contra os muçulmanos. Além da piedade religiosa, motivos materiais, como a conquista de terras e dos bens saqueados dos inimigos, também atraíram a ajuda de estrangeiros - principalmente de nobres franceses - , que colabararam com os cristãos ibéricos nessa luta.

36 comentários:

igor disse...

obrigado esse site oi de estrema importancia para minha pessoa

Felipe disse...

esse site me ajudou muito, tds que o fizeram estão de parabéns!

Vitãao ZL disse...

da hora zeee

Anônimo disse...

amei me ajudou muito no trabalho da escola

Anônimo disse...

valeu foi pro trabalho de escola muito obrigado

layneh disse...

site muito bom parabens!!!! e obrigada me ajudou muito!!

Anônimo disse...

geniau esse site tudo de bom mesmo ! vlw vcs me ajudaram com um trabalho da escola!

Anônimo disse...

me ajudou para eu fazer uma prova

Anônimo disse...

Odieei .. não me agudo em nada , que site podre !

Anônimo disse...

obrigado,foi muito importante para mim essa pesquisa.

lanlanca disse...

ameii,td que eu queria achei!!!

wesley disse...

e muita coisa nao achei o que eu queria!

Gabriel disse...

Gostei muito. Era td o q eu precisava. Vlw!

Victor disse...

maan gosteii .... mintira eu nem li ...foii o primeiro site q apareceu e eu entreii....
trabalho de escola hehehehehe'

Anônimo disse...

parabens pelo site mto bom me ajudou a estudar para uma prova vlw!

Anônimo disse...

Muito bom o post, parabéns!

Anônimo disse...

legal me ajudou muito no meu trabalho de historia

krystiellen disse...

esse site é muito bom

dionathan disse...

Valeu pelo site me ajudou muito no trabalho

Anônimo disse...

piazada vao joga c a lol

Anônimo disse...

vao joga combat arms

Anônimo disse...

o site esta bom....so nao contem mtas informaçoes, tudo é mto basico!!!
mas esta de parabens!!

Anônimo disse...

AAAAAAAAAAAAH' OBRIGADOO ...ESSE TRABALHO DE ESCOLA VALE 4,00 PONTOS *-* VLW :D COMECA A FREQUENTA MAIS O SEU BLOG \O/

Anônimo disse...

É muita coisa e tudo muito junto mas mesmo assim obrigada

gabriel vieira da silva disse...

eys obrigado esse site e de estrema importancia para mim e pra muita gente obrigadoooooooooooo

josinaldo disse...

tirei nota maxima no trabalho de sociologiaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!!!Parabens aos criadores desse sitee

laianesilva85 disse...

adorei o site muito bom!!!!!!!!!

Natália Oliveira disse...

Muuuito obrigadoo, esse site me ajudou muito no meu trabalho da escoola .. Elle vale 10 pontos e graça a esse site eu ganhei 10 pontos'

Rafaela Maximo disse...

Daora tio !!!!!!!
Gostei ajudo bastante.
Valeu.

Rafael Brandão disse...

Bastante resumido...
Mas abordou de uma forma simples a questão da formação dos estados nacionais.
Não recomendo as informações para trabalhos mais sérios devido a omissão de muitos fatores (Tais com o Renascimento, dissolução progressiva do modo de produção Feudal, a aliança entre a burguesia mercantil e os reis...) e a falta de algumas informações. Para trabalhos para ensino fundamental e alguns casos no Ensino Médio é bastante útil.

Warlock disse...

Esses professores de humanas.....são tão engraçados...

Anônimo disse...

Ajudou bastante, vou até aconselhar meus colegas de classe e professor a acessar esse site. Continuem fazendo este bom trabalho!

João Vitor Lima

Anônimo disse...

ME ajudo em nda

Gabrielle disse...

Me ajudou a estudar pras provas do pensi .bom site

Anônimo disse...

O site é muito bom, porém, poderia ter mais informação. De qualquer jeito muito obrigado, me ajudou bastante.

Camilla ¬¬ disse...

Ameei, no entanto teve um papel de extrema imprtância na prova seletiva que vou fazer. Soorte, tomara que eu consiga passar
...